BLEND ANTI CELULITE

Extrato Glicólico composto por 10 ervas: Algas, aquilea, arnica, calêndula, centella, chá preto, confrey, gengibre, ginkgo biloba e hera.

Aplicação: Utilizado em loções, géis e cremes de massagem para o tratamento da celulite e gordura localizada, sendo emoliente, estimulador da circulação periférica e hidratante.

ALGAS (INCI: FUCUS VESICULOSUS EXTRACT - CAS: 84696-13-9)

O fucus é uma alga castanha, extremamente abundante nos rochedos

das costas do Atlântico, Pacífico e mar do Norte, onde sua acumulação atinge 15-20 cm de espessura.

Plínio descreveu o fucus com o nome Quecus marina (I) era então utilizada para as dores das articulações.

Muito utilizada no século XVIII para o tratamento da asma e das doenças de pele, sendo seu uso abandonado no início do século XIX quando Curfois descobre o iodo em 1811.

O fucus é arrancado dos rochedos pelas marés cheias e de novo lançado sobre estes. Os anglo-saxões do litoral utilizavam-no na alimentação, e os franceses como adubo.

AQUILEA (INCI:ACHILLEA MILLEFOLIUM EXTRACT - CAS:84082-83-7)

O nome Achillea tem origem na Batalha de Tróia: Aquiles curou muitos de seus guerreiros, depois de compreender que a mil-folhas estanca as hemorragias. Os caules da aquilea, desde há muito considerados sagrados, teriam servidos aos druidas para influenciar o estado de tempo na Europa, e, na China, ajudavam a prognosticar o futuro.

ARNICA (INCI: ARNICA MONTANA FLOWER EXTRACT - CAS: 68990-11-4)

Ao contrário de outras plantas famosas, a arnica era desconhecida dos naturais gregos e romanos da antiguidade. Hipócrates, o pai da medicina (460/370 a. C.), ignorava totalmente sua existência. O mesmo ocorre com outro consagrado clínico grego, Galeno (129-199).

A razão da descoberta tardia desta planta deve-se ao fato de que ela não cresce nos países do Mediterrâneo, berço da Civilização ocidental. Seu habitat natural são as regiões montanhosas mais ao norte da Europa. Daí sua permanência, durante muitos séculos, como segredo dos povos chamados Bárbaros pelos Romanos.

No inicio do século XVIII, a arnica estava consagrada pela medicina

oficial e largamentos empregada em toda Europa.

CALÊNDULA (INCI: CALENDULA OFFICINALIS FLOWER EXTRACT - CAS: 4776-23-8)

A calêndula é uma das plantas mais versáteis e muito popular pelo seu uso em cosmética. Pelo fato de parecer estar em flor durante todo ano, recebeu o nome botânico que reflete a idéia de florescer no 1º dia de cada mês, do latim calends.

O aparecimento regular de pétalas e folhas fortes contribui para a sua

utilização freqüente. É originária da Europa meridional, e adaptou-se bem no Brasil, cultivada como planta ornamental e medicinal por apresentar um alto índice de princípios ativos.

Na guerra civil americana, os médicos nos campos de batalha utilizavam suas flores e folhas para tratar feridos.

Encontrada em todo o mundo como planta de jardim, a calêndula é uma das plantas medicinais mais úteis e desde há muito tempo é utilizada na medicina indiana, árabe e grega.

É cultivada em grandes quantidades nas antigas repúblicas da União

Soviética para fins medicinais, tendo sido cognominada “penicilina russa”.

É uma planta anual, com grandes folhas oblongas e peludas e flores

amarelas ou alaranjadas, semelhante a mal-me-queres, que aparecem desde o início do verão até as primeiras geadas.

CENTELLA (INCI: CENTELLA ASIATICA EXTRACT - CAS: 84696-21-9)

Planta que cresce espontaneamente em lugares úmidos e sombreados, é encontrada no leste Europeu e também em países da América do Sul, como Brasil e Venezuela.

Há mais de 3.000 anos os habitantes da Índia, África e das Ilhas do

Oceano Índico utilizavam a centella no tratamento de lesões cutâneas. Mas só a partir de 1941 ficou comprovada a composição química desta planta. O bioquímico francês, Jules Lepine, descobriu que a planta possui um alcalóide que pode rejuvenescer o cérebro, os nervos e as glândulas endócrinas.

Esta planta, conhecida pelos chineses como fo-ti-tieng, é similar ao ginseng e constitui um dos raros estimulantes sem efeitos cumulativos prejudiciais.

CHÁ PRETO (INCI: CAMELIA SINENSIS EXTRACT - CAS: 84650-60-2)

Planta perene, do tipo arbustiva, a Thea sinensis pertence à família das Teáceas (Theacea). Originária do sudeste asiático, a planta produz economicamente por mais de 50 anos.

No Brasil o arbusto é cultivado principalmente na região do Vale do Ribeira, no Estado de São Paulo, onde é utilizado para fazer chá preto.

As folhas sofrem um processo de fermentação que confere ao líquido um tom avermelhado escuro e um sabor intenso. As folhas são colocadas em tanques fechados até fermentarem. Depois elas são aquecidas e desidratadas.

CONFREY (INCI: SYMPHYTUM OFFICINALE EXTRACT - CAS: 84696-05-9)

O confrey é uma planta conhecida desde a antiga Grécia. Seu nome botânico Symphytum deriva do grego Symphuô=eu reúno, e alude a propriedade de consolidar e soldar os ossos fraturados e cicatrizar as feridas, o que já era conhecido 20 séculos antes de Cristo.

É originário da Rússia onde foi utilizado pelos atletas, sendo denominado leite vegetal. Foi levado para a Inglaterra por um jardineiro inglês da Czarina Katharina II, onde ficou conhecida como planta milagrosa. O mesmo ocorreu na Alemanha alguns anos depois e logo foi difundida por toda Europa, Austrália e Japão.

Dentre todas as plantas do reino vegetal, o confrey é a que contém maior teor em proteína, conhecido como o “mais rápido produtor de proteínas do mundo”. Suas folhas são utilizadas para uso tópico como cicatrizante, dentre outras propriedades.

GENGIBRE (INCI: ZINGIBER OFFICINALE ROOT EXTRACT - CAS: 84696-15-1)

Trata-se de uma planta vivaz, herbácea e aromática. O rizoma, a que, por uma impropriedade de expressão, muitas pessoas chamaram de raiz, é rasteiro, carnoso, espesso e nodoso. Contém uma substância que é uma espécie de massa sólida e aquosa. Diz-se que é uma planta quente devido seu sabor acre e picante. Possui folhas lanceoladas, de um verde claro e flores formando espigas que têm a aparência de um cone e se apóiam em hastes escamosas. Esta especiaria foi sempre muito apreciada desde os tempos mais antigos, sendo aproveitada para a fábrica de xaropes e doces, bem como para a preparação de medicamentos.

GINKGO BILOBA (INCI: GINKGO BILOBA LEAF EXTRACT - CAS: 90045-36-6)

A árvore de ginkgo é considerada pelos botânicos como um fóssil vivo, sendo o único exemplar da família e ancestral do carvalho. Na Medicina Chinesa, há registros de sua utilização medicinal desde 2.800 a.C., sendo considerada sagrada pelos budistas que a tem plantada sempre junto aos seus templos. No Ocidente começou a ser estudada há cerca de 15 anos, embora já fosse conhecida como planta ornamental em numerosos países de climas bem diferentes.

O ginkgo tem capacidade de se adaptar às mais precárias condições ambientais, sendo resistente à poluição moderna. Esta árvore, que pode chegar a 40 metros de altura, apresenta uma estonteante imunidade aos parasitas habituais. Poucas vezes é atacado por insetos e fungos os quais causam estragos mínimos.

Observa-se igualmente uma pronunciada resistência a bactérias, vírus e às ações mutagênicas das radiações, fato que pode explicar a sua sobrevivência após a explosão da bomba atômica em Hiroshima, onde foi a primeira manifestação de vida ocorrida após a explosão.

HERA (INCI: HEDERA HELIX EXTRACT - CAS: 84082-54-2)

A hera é uma planta originária da Europa, Norte da África, Ásia e Ilhas Canárias. É considerada uma planta histórica, ligada às crenças religiosas dos gregos, egípcios e indianos.

Contos populares diziam que a hera escondia os duendes sob suas folhagens, protegia as casas dos espíritos malignos e era tida como símbolo de fidelidade e longetividade. Juntamente com a vinha, associa-se ao deus Baco.

Apesar de ornamental, muitas vezes ela é a responsável pelo deterioramento de paredes e, quando invade solos, impede que outras plantas achem o caminho da luz.

 

 

 

COMPLEXO BLEND ANTI-CELULITE 100ml

R$14,90
COMPLEXO BLEND ANTI-CELULITE 100ml R$14,90
Entregas para o CEP:

Meios de envio

BLEND ANTI CELULITE

Extrato Glicólico composto por 10 ervas: Algas, aquilea, arnica, calêndula, centella, chá preto, confrey, gengibre, ginkgo biloba e hera.

Aplicação: Utilizado em loções, géis e cremes de massagem para o tratamento da celulite e gordura localizada, sendo emoliente, estimulador da circulação periférica e hidratante.

ALGAS (INCI: FUCUS VESICULOSUS EXTRACT - CAS: 84696-13-9)

O fucus é uma alga castanha, extremamente abundante nos rochedos

das costas do Atlântico, Pacífico e mar do Norte, onde sua acumulação atinge 15-20 cm de espessura.

Plínio descreveu o fucus com o nome Quecus marina (I) era então utilizada para as dores das articulações.

Muito utilizada no século XVIII para o tratamento da asma e das doenças de pele, sendo seu uso abandonado no início do século XIX quando Curfois descobre o iodo em 1811.

O fucus é arrancado dos rochedos pelas marés cheias e de novo lançado sobre estes. Os anglo-saxões do litoral utilizavam-no na alimentação, e os franceses como adubo.

AQUILEA (INCI:ACHILLEA MILLEFOLIUM EXTRACT - CAS:84082-83-7)

O nome Achillea tem origem na Batalha de Tróia: Aquiles curou muitos de seus guerreiros, depois de compreender que a mil-folhas estanca as hemorragias. Os caules da aquilea, desde há muito considerados sagrados, teriam servidos aos druidas para influenciar o estado de tempo na Europa, e, na China, ajudavam a prognosticar o futuro.

ARNICA (INCI: ARNICA MONTANA FLOWER EXTRACT - CAS: 68990-11-4)

Ao contrário de outras plantas famosas, a arnica era desconhecida dos naturais gregos e romanos da antiguidade. Hipócrates, o pai da medicina (460/370 a. C.), ignorava totalmente sua existência. O mesmo ocorre com outro consagrado clínico grego, Galeno (129-199).

A razão da descoberta tardia desta planta deve-se ao fato de que ela não cresce nos países do Mediterrâneo, berço da Civilização ocidental. Seu habitat natural são as regiões montanhosas mais ao norte da Europa. Daí sua permanência, durante muitos séculos, como segredo dos povos chamados Bárbaros pelos Romanos.

No inicio do século XVIII, a arnica estava consagrada pela medicina

oficial e largamentos empregada em toda Europa.

CALÊNDULA (INCI: CALENDULA OFFICINALIS FLOWER EXTRACT - CAS: 4776-23-8)

A calêndula é uma das plantas mais versáteis e muito popular pelo seu uso em cosmética. Pelo fato de parecer estar em flor durante todo ano, recebeu o nome botânico que reflete a idéia de florescer no 1º dia de cada mês, do latim calends.

O aparecimento regular de pétalas e folhas fortes contribui para a sua

utilização freqüente. É originária da Europa meridional, e adaptou-se bem no Brasil, cultivada como planta ornamental e medicinal por apresentar um alto índice de princípios ativos.

Na guerra civil americana, os médicos nos campos de batalha utilizavam suas flores e folhas para tratar feridos.

Encontrada em todo o mundo como planta de jardim, a calêndula é uma das plantas medicinais mais úteis e desde há muito tempo é utilizada na medicina indiana, árabe e grega.

É cultivada em grandes quantidades nas antigas repúblicas da União

Soviética para fins medicinais, tendo sido cognominada “penicilina russa”.

É uma planta anual, com grandes folhas oblongas e peludas e flores

amarelas ou alaranjadas, semelhante a mal-me-queres, que aparecem desde o início do verão até as primeiras geadas.

CENTELLA (INCI: CENTELLA ASIATICA EXTRACT - CAS: 84696-21-9)

Planta que cresce espontaneamente em lugares úmidos e sombreados, é encontrada no leste Europeu e também em países da América do Sul, como Brasil e Venezuela.

Há mais de 3.000 anos os habitantes da Índia, África e das Ilhas do

Oceano Índico utilizavam a centella no tratamento de lesões cutâneas. Mas só a partir de 1941 ficou comprovada a composição química desta planta. O bioquímico francês, Jules Lepine, descobriu que a planta possui um alcalóide que pode rejuvenescer o cérebro, os nervos e as glândulas endócrinas.

Esta planta, conhecida pelos chineses como fo-ti-tieng, é similar ao ginseng e constitui um dos raros estimulantes sem efeitos cumulativos prejudiciais.

CHÁ PRETO (INCI: CAMELIA SINENSIS EXTRACT - CAS: 84650-60-2)

Planta perene, do tipo arbustiva, a Thea sinensis pertence à família das Teáceas (Theacea). Originária do sudeste asiático, a planta produz economicamente por mais de 50 anos.

No Brasil o arbusto é cultivado principalmente na região do Vale do Ribeira, no Estado de São Paulo, onde é utilizado para fazer chá preto.

As folhas sofrem um processo de fermentação que confere ao líquido um tom avermelhado escuro e um sabor intenso. As folhas são colocadas em tanques fechados até fermentarem. Depois elas são aquecidas e desidratadas.

CONFREY (INCI: SYMPHYTUM OFFICINALE EXTRACT - CAS: 84696-05-9)

O confrey é uma planta conhecida desde a antiga Grécia. Seu nome botânico Symphytum deriva do grego Symphuô=eu reúno, e alude a propriedade de consolidar e soldar os ossos fraturados e cicatrizar as feridas, o que já era conhecido 20 séculos antes de Cristo.

É originário da Rússia onde foi utilizado pelos atletas, sendo denominado leite vegetal. Foi levado para a Inglaterra por um jardineiro inglês da Czarina Katharina II, onde ficou conhecida como planta milagrosa. O mesmo ocorreu na Alemanha alguns anos depois e logo foi difundida por toda Europa, Austrália e Japão.

Dentre todas as plantas do reino vegetal, o confrey é a que contém maior teor em proteína, conhecido como o “mais rápido produtor de proteínas do mundo”. Suas folhas são utilizadas para uso tópico como cicatrizante, dentre outras propriedades.

GENGIBRE (INCI: ZINGIBER OFFICINALE ROOT EXTRACT - CAS: 84696-15-1)

Trata-se de uma planta vivaz, herbácea e aromática. O rizoma, a que, por uma impropriedade de expressão, muitas pessoas chamaram de raiz, é rasteiro, carnoso, espesso e nodoso. Contém uma substância que é uma espécie de massa sólida e aquosa. Diz-se que é uma planta quente devido seu sabor acre e picante. Possui folhas lanceoladas, de um verde claro e flores formando espigas que têm a aparência de um cone e se apóiam em hastes escamosas. Esta especiaria foi sempre muito apreciada desde os tempos mais antigos, sendo aproveitada para a fábrica de xaropes e doces, bem como para a preparação de medicamentos.

GINKGO BILOBA (INCI: GINKGO BILOBA LEAF EXTRACT - CAS: 90045-36-6)

A árvore de ginkgo é considerada pelos botânicos como um fóssil vivo, sendo o único exemplar da família e ancestral do carvalho. Na Medicina Chinesa, há registros de sua utilização medicinal desde 2.800 a.C., sendo considerada sagrada pelos budistas que a tem plantada sempre junto aos seus templos. No Ocidente começou a ser estudada há cerca de 15 anos, embora já fosse conhecida como planta ornamental em numerosos países de climas bem diferentes.

O ginkgo tem capacidade de se adaptar às mais precárias condições ambientais, sendo resistente à poluição moderna. Esta árvore, que pode chegar a 40 metros de altura, apresenta uma estonteante imunidade aos parasitas habituais. Poucas vezes é atacado por insetos e fungos os quais causam estragos mínimos.

Observa-se igualmente uma pronunciada resistência a bactérias, vírus e às ações mutagênicas das radiações, fato que pode explicar a sua sobrevivência após a explosão da bomba atômica em Hiroshima, onde foi a primeira manifestação de vida ocorrida após a explosão.

HERA (INCI: HEDERA HELIX EXTRACT - CAS: 84082-54-2)

A hera é uma planta originária da Europa, Norte da África, Ásia e Ilhas Canárias. É considerada uma planta histórica, ligada às crenças religiosas dos gregos, egípcios e indianos.

Contos populares diziam que a hera escondia os duendes sob suas folhagens, protegia as casas dos espíritos malignos e era tida como símbolo de fidelidade e longetividade. Juntamente com a vinha, associa-se ao deus Baco.

Apesar de ornamental, muitas vezes ela é a responsável pelo deterioramento de paredes e, quando invade solos, impede que outras plantas achem o caminho da luz.